Blog

Crianças no condomínio

Morar em condomínio requer respeito ao próximo e às regras para que o dia-a-dia seja tranquilo e sem problemas. Entretanto, vira e mexe acontece alguma coisa que altera a ordem do ambiente. Seja uma discussão, parar em vaga errada ou barulho em excesso. Quando há crianças envolvidas as queixas tendem a ser um pouco maiores, mas nada que não possa ser solucionado.

É possível viver tranquilamente dentro de um condomínio desde que cada um cumpra a sua parte em não incomodar o outro e em saber quais são os limites, o que vale também para as crianças e os pais devem educá-las quanto a isso.

Se a criança está incomodando mesmo ao brincar dentro do apartamento, o morador incomodado deve pedir ao porteiro ou ao zelador que ligue para a unidade que está incomodando e solicite silêncio.

Isso não é falta de educação e o funcionário do condomínio não deve ficar constrangido. É preciso saber cumprir as regras estabelecidas em acordo com todos.

Claro que é preciso cautela. A reclamação será procedente se o barulho que a criança estiver fazendo for em horário ou local indevido. É preciso lembrar que é da natureza das crianças brincar, correr, falar, dar risada, etc.

Uma forma de lidar com a rebeldia das crianças é eleger um mini-síndico. A criança eleita terá contato com o trabalho do síndico e com os problemas diários do condomínio. Isso ajuda a criar consciência.

Esse tipo de eleição acaba se tornando algo divertido e é fácil de organizar. Basta convidar as crianças, separar papel, caneta e uma caixa para depositar os votos.

Limites

Os pais são responsáveis por seus filhos e devem estabelecer limites a eles, inclusive quando estiverem dentro do apartamento.

Uma dica que pode ser passada aos pais é o uso de tapete emborrachado nos quartos das crianças, ele diminui o atrito e abafa o barulho no andar de baixo. Carpetes e tapetes comuns também podem cumprir bem essa função.

Mesmo com tapetes, é preciso evitar que a criança brinque fazendo barulho após às 22h.

As regras existem para serem respeitadas também pelas crianças e os pais devem fazer isso valer. A responsabilidade pelo comportamento delas é deles.

Quando as crianças brincam nas áreas comuns dos condomínios, os limites devem ser diferentes. Elas podem brincar normalmente entre 9h e 20h.

Depois desse horário, se quiserem permanecer na área comum, deverão conversar em voz baixa ou ficar em silêncio.

Falta de área de lazer

Viver em condomínio já é complicado para crianças, quando falta área de lazer, isso se torna ainda mais difícil. Elas precisam brincar, isso faz parte da natureza. Desta forma, tente estabelecer locais e horários para que elas utilizem áreas como hall, jardim ou salão de festas.

As crianças podem usar, por exemplo, as áreas existentes no entorno do prédio. Sempre dentro dos horários estabelecidos, evitando incomodar os condôminos.

Alguns condomínios não possuem área de lazer, mas têm salão de festas, que também poderá ser utilizado pelas crianças durante a semana. Basta estabelecer regras para a freqüência.

Algum cômodo vazio ou espaço inutilizado nas dependências comuns do condomínio pode ser aproveitado para montar uma brinquedoteca, por exemplo.

Quem toma conta?

É recomendável que crianças estejam sempre acompanhadas

É muito comum em condomínios se observar crianças circulando sozinhas. Além disso, muitos pais pedem para que funcionários do condomínio tomem conta dos filhos.

Aqui vão algumas regras básicas para a boa convivência e segurança das crianças nos condomínios:

Crianças menores de 10 anos não devem andar sozinhas nos elevadores para evitar acidentes;

Os pais não devem permitir que as crianças brinquem nas escadas do edifício;

Crianças menores de 5 anos devem brincar no playground acompanhadas de um adulto;

Recomenda-se que as crianças maiores estejam sempre acompanhadas de um amigo no playground;

Todas as crianças devem estar acompanhadas de um adulto nas piscinas do edifício e os funcionários do condomínio não têm obrigação de cuidar de crianças.

É importante também lembrar os pais que o condomínio possui lugares que podem ser perigosos para as crianças, como instalações elétricas, piscinas, escadas e elevadores, por isso, é bom evitar deixá-las circulando sozinhas.
O ideal seria colocar as regras de convívio para crianças também no estatuto do condomínio para que não hajam problemas na hora de cobrar que as regras sejam cumpridas.

Administradora F&FCrianças no condomínio