Administradora F&F

Reciclagem do óleo de cozinha

Muitos bares, restaurantes, hotéis e residências ainda jogam o óleo utilizado na cozinha direto na rede de esgoto, desconhecendo os prejuízos dessa ação. Independente do destino, esse produto prejudica o solo, a água, o ar e a vida de muitos animais, inclusive o homem.

Quando retido no encanamento, o óleo causa entupimento das tubulações e faz com que seja necessária a aplicação de diversos produtos químicos para a sua remoção. Se não existir um sistema de tratamento de esgoto, o óleo acaba se espalhando na superfície dos rios e das represas, contaminando a água e matando muitas espécies que vivem nesses habitats.

Dados apontam que com um litro de óleo é possível contaminar um milhão de litros de água. Se acabar no solo, o líquido pode impermeabilizá-lo, o que contribui com enchentes e alagamentos. Além disso, quando entra em processo de decomposição, o óleo libera o gás metano que, além do mau cheiro, agrava o efeito estufa.

Para evitar que o óleo de cozinha usado seja lançado na rede de esgoto,  cidades, instituições e pessoas de todo o mundo têm criado métodos para reciclar o produto. As possibilidades são muitas: produção de resina para tintas, sabão, detergente, glicerina, ração para animais e até biodiesel.

Mas como fazer isso em condomínio?

Se informe com seu síndico ou com a administradora como fazer para reciclar o óleo. Há vários programas que recolhem o óleo no próprio condomínio e o reciclam criando novos produtos.

O sucesso destes programas de reciclagem de óleo de cozinha depende inteiramente da participação da comunidade. Todos esses programas de coletas, sejam governamentais ou não-governamentais, oferecem todas as informações necessárias para a reciclagem do óleo e também esclarecimentos sobre proteção ambiental, justamente para inserir a sociedade na responsabilidade ecológica.

Administradora F&FReciclagem do óleo de cozinha
Leia mais

Boa convivência em condomínios

É muito difícil administrar um espaço dividido por tantas pessoas diferentes. E a maior dificuldade não são as inúmeras guias a serem pagas, os documentos para checar, ou as apólices de seguro que não podem vencer. A parte mais trabalhosa da vida do síndico é lidar com os moradores.
Veja algumas dicas do que você pode fazer para melhorar o convívio no seu condomínio e dar essa ajudinha para o síndico!

– Respeite os horários de silêncio estabelecidos pelo condomínio. Música alta, furadeira, máquina de lavar e ensaios com a banda só entre os horários determinados pelo Regimento Interno.

– Evite andar de salto alto dentro do apartamento.

– Quando o animal de estimação do seu vizinho estiver fazendo muito barulho, primeiramente, converse com o dono. Muitas vezes, o proprietário do cão ou gato passa o dia inteiro fora de casa e nem sabe que o animalzinho está causando transtorno.

– Quando fizer festa em casa, não é necessário convidar os vizinhos, mas é preciso respeitar o horário de silêncio determinado pelo Regimento Interno.

– Evite falar ou brigar em volume alto. Os vizinhos não precisam saber os detalhes da sua vida íntima.

– Caso o seu vizinho esteja brigando e se excedendo em casa, interfone para a portaria e peça para que o síndico ou zelador converse com ele. Caso isso se repita, pode também registrar isso no Livro de Ocorrências, pra que o síndico tome as medidas cabíveis.

– Na hora de empurrar móveis e fazer outros barulhos que podem incomodar o vizinho de baixo ou de cima, tenha bom senso: faça isso em horários razoáveis para evitar acordar o seu vizinho, por exemplo.

– O porteiro é um funcionário do condomínio e não particular. Não peça para que ele abandone o posto dele para fazer alguma entrega: além de errado, pode colocar em risco a segurança do prédio.

– Tenha bons modos mesmo que esteja sozinho. Lembre-se que a maioria dos prédios, atualmente, têm câmeras de segurança.

– Carrinhos de supermercados são de uso comum e, por isso, devem ser devolvidos no local correto para que todos possam encontrá-lo e utilizá-lo também.

– Suba com o carrinho de supermercados e com sacolas de compras pelo elevador de serviço. Assim, você evita desconforto no caso de visitantes que queiram utilizar o elevador social.

– Cachorros devem sempre circular por áreas comuns, inclusive o elevador, com coleira, focinheira e no colo do dono. Caso o seu cão tenha porte grande, espere o elevador ficar vazio para utilizar o elevador com seu pet.

– No elevador, é terminantemente proibido fumar. Além disso, com a lei anti-fumo que vigora em alguns Estados brasileiros, também fica proibido fumar em algumas áreas comuns do condomínio que tenham toldos, por exemplo.

– Elevador não é brinquedo: é preciso ensinar as crianças a não apertarem diversos botões, pois podem danificar o elevador, prejudica o dia a dia das pessoas e pode até causar acidentes.

– Evite utilizar bronzeadores se for entrar na piscina. Esses produtos soltam gordura e acabam sujando a água. Além disso, ninguém é obrigado a usar bronzeador por tabela.

– Evite correr em volta da piscina, assim como dar saltos que molhem as pessoas que estão fora.

– Boa parte dos condomínios não permite levar aparelhos de som, pois se trata de um espaço comum. Verifique.

– Também se atente para o consumo de comidas e bebidas na área da piscina. Eles devem ser consumidos fora da piscina para evitar contaminar a água. Prefira alimentos que não fazem sujeira e utilize copos e pratos de plásticos para evitar cortes e acidentes com vidro. Verifique.

– Alguns prédios exigem exames médicos para que condôminos e visitantes utilizem a piscina. Na dúvida, consulte o síndico ou o regulamento interno do seu prédio.

– Animais não devem ser trazidos para a área das piscinas, pois podem contaminar a água e até mesmo causar acidentes.

– Cada espaço tem um limite de pessoas para garantir a segurança e o sucesso da festa. Caso o Regimento Interno não tenha essa informação, pergunte ao síndico ou zelador quantos convidados a festa pode ter antes de sair convidando os amigos.

– Cada condomínio tem seus procedimentos para festas, mas caso o seu não, se possível, deixe uma lista de convidados na portaria para evitar penetras e garantir a segurança.

– Em uma festa, convida-se quem tem afinidade com você: Parentes e amigos são muito bem vindos. Não é necessário convidar seus vizinhos, a não ser que eles sejam seus amigos.

– Toda festa precisa de música, mas dentro de um volume razoável, que não incomode os vizinhos. O som pode ficar ligado até às 22h.

– Após a festa, deixe o local organizado e limpo, mesmo que o condomínio tenha um profissional de limpeza para isso.

Esperamos que essas sugestões, possam ajudar a reger e melhorar o ambiente em seu condomínio!

Administradora F&FBoa convivência em condomínios
Leia mais

Cuidados ao contratar uma dedetizadora

A cada seis meses os condomínios precisam contratar uma empresa para fazer dedetização completa no local. Mas, como escolher uma empresa boa e eficiente? Com certeza essa é uma pergunta que todos os síndicos e gestores de condomínios sempre fazem quando precisam contratar uma dedetizadora.

 

Existem inúmeras empresas e a maioria é boa mas há também aquelas que decepcionam na hora de realizar o serviço. A maior preocupação deve ser não colocar em risco a saúde dos moradores e afastar as pragas.

Cuidados com a mistura do veneno e qualidade dos produtos, tipos de combate, garantia do serviço, cheiros dos produtos e manchas, cuidados com animais, idosos, crianças e alérgicos são assuntos fundamentais a serem discutidos com a empresa contratada.

Veja algumas dicas para não errar na hora de contratar uma empresa de dedetização:

1º Cuidado – Mistura do veneno

O primeiro cuidado é pedir que a empresa faça a mistura do veneno na hora da aplicação. O motivo é simples: você precisa se certificar de que o veneno usado é de qualidade. Muitas empresas dizem que usam produtos de grandes marcas ou fabricantes quando, na verdade, usam venenos de má qualidade ou até mesmo caseiros. Se a empresa disser que levará a embalagem do produto para lhe mostrar, não aceite.

2º Cuidado – Tipos de Combate

Para cada praga há uma forma de combate diferente, podendo variar o produto utilizado e a forma de aplicação. Há aplicações que são feitas apenas em rodapés, em outras são necessárias aplicações no rodapé e roda-teto, como também no telhado ou piso. Há diferença ainda no tipo de veneno a ser usado.

3º Cuidado – Garantias

O terceiro cuidado é com relação às garantidas oferecidas pelas dedetizadoras. Cuidado com garantias muito longas. Fornecedores de produtos de dedetização de qualidade não oferecem mais do que 3 meses para controle da maioria das pragas.

4º Cuidado – Cheiro de Produtos

Venenos de qualidade geralmente não tem cheiro forte e em muitos casos são inodoros. Saiba ainda que empresas e aplicadores individuais, conhecidos como Zé Bombinhas, fazem misturas que contém apenas querosene deixando um cheiro forte após a aplicação, mas que não tem nenhuma efetividade.

5º Cuidado – Manchas causadas por dedetização

No mercado há todo tipo de produtos e de profissionais de dedetização e por isso você já pode ter escutado alguma história sobre dedetização ter causado manchas. Essas histórias podem ser verdadeiras, mas os produtos de qualidade não oferecem perigo de mancha para pintura, móveis ou roupas.

6º Cuidado – Animais

Quem tem animais muitas vezes fica com medo de contratar dedetização. Nesse sentido, uma série de cuidados devem ser tomados pela dedetizadora, cada cuidado especifica para o tipo de produto a ser usado. O cliente deve manter o animal afastado no momento da aplicação do produto de dedetização, para que o mesmo não veja os locais e não fique curioso.

7º Cuidado – Crianças, Idosos e Alérgicos

Em locais onde há crianças menores de 6 anos, pessoas alérgicas ou idosos devemos ter um cuidado especial. Esse público necessita da aplicação de venenos menos agressivo. Há linhas de produtos de dedetização usados especificamente nesses casos que apesar de mais caras, são essenciais para o bem estar dessas pessoas. Lembre-se sempre de avisar sua dedetizadora sobre a faixa etária das pessoas que frequentam o local a ser dedetizado.

Tomando todos estes cuidados com certeza a sua escolha será a mais acertada!

Administradora F&FCuidados ao contratar uma dedetizadora
Leia mais

Alteração de fachada

Querer pintar uma parede, trocar uma esquadria ou fechar uma sacada parece uma vontade inocente e até rotineira. Mas em um condomínio, não é. Ela pode gerar muita confusão se avançar para áreas comuns ou para a fachada do condomínio.

Aí, entra em ação o síndico e a Convenção do condomínio. É lá que estão as regras que devem ser seguidas para garantir a harmonia estética do condomínio e acabar com o pode ou não pode.

O QUE O CÓDIGO CIVIL DIZ:

Artigo 1336: “São deveres do condômino: III – não alterar a forma e a cor da fachada, das partes e esquadrias externas”

Antes de saber onde o morador pode ou não pode mexer, é importante esclarecer os limites da fachada e área comum:

Por fachada, entende-se toda área externa que compõe o visual do condomínio, como as paredes externas, sacadas, janelas e esquadrias, portas e portões de entrada e saída do edifício entre outros elementos que compõem a harmonia estética.

A área comum inclui toda a região do condomínio que pode ser usada pelos moradores sem restrições ou com o uso de chaves disponíveis, como hall, porta de entrada e saída das unidades, corredores, escadas, garagens, salões e academias.

Por que não?

Um dos fatores que mais influenciam na valorização e venda de um apartamento é a estética do condomínio. Mesmo que o apartamento seja pequeno ou se a localização não for das melhores, a beleza e a organização podem elevar preços e atrair compradores.

Segundo o Código Civil, qualquer tipo e alteração na fachada ou área comum é proibida. Para legitimar uma alteração, esta deve passar a constar na convenção. Porém, na prática muitos condomínios vêm tolerando algumas alterações mediante aprovação em assembleia.
Veja uma lista prévia do que costuma ser proibido:

1) Sacadas

Toda a área da sacada que é visível não pode ser alterada, como:

Porta

Cor das paredes internas e externas

Forro ou teto

Grade ou parapeito*

Fechamento com vidros ou grades

Telas de proteção**

Películas de proteção nos vidros

Toldos

Ar-condicionado

Mini parabólicas do tipo Sky

(*) a manutenção cabe ao morador, mas a cor e o modelo são definidos pela Convenção
(**) especialistas entendem que, por ser um item de segurança, a instalação de telas não precisa ser decidida em Assembleia, mas a cor da tela, sim.

2) Fachadas

Instalar antenas

Trocar janelas ou vitrôs*

Fechar a área de serviço**

Alterar cor ou textura das paredes de fora do apartamento

A pintura total do edifício pela mesma cor não é proibida, mas precisa ser aprovada em assembleia. Pode ser encarada como uma melhoria no prédio e não precisa constar na Convenção. A alteração de cor é alteração de fachada
(*) a manutenção cabe ao morador, mas a cor e o modelo são definidos pela Convenção
(**) se houver a utilização de gás para aquecimento, manter essa área aberta também é uma questão de segurança.

3) Áreas Comuns

Trocar a porta de entrada do apartamento*

Alterar a abertura da porta de entrada do apartamento**

Trocar a porta do depósito

Alterar a utilização, finalidade ou móvel do depósito

Pintar ou decorar o hall de entrada dos apartamentos*

Pintar ou decorar o hall de entrada do condomínio

Em edifícios cujo portão é parte do projeto arquitetônico alterá-lo constitui mudança de fachada. Isso ocorre normalmente em edifícios antigos ou tidos como históricos.

Em edifícios comuns, em geral, a troca de portões não constitui alteração da fachada.

(*) Na maioria das convenções é proibido. Alguns condomínios aprovam alterações em assembleia
(**) as portas abrem para o lado de dentro por uma determinação de segurança do Corpo de Bombeiros)

Caso algum morador faça alguma alteração proibida pela Convenção do condomínio, o síndico ou administradora deve, o quanto antes,  enviar uma notificação da infração e solicitar que o morador restabeleça os padrões do condomínio com prazo determinado.

Muitas vezes, os condomínios perdem a ação por “negligência”, ou seja, demoram muito tempo para contestar a alteração.

Se a notificação não for cumprida, o morador deve ser multado de acordo com as disposições do Código Civil (art. 1336 e 1337).

É possível também, em casos extremos, recorrer a ações judiciais. Nesse caso, a medida deve ser discutida e votada em assembleia com aprovação da maioria dos presentes. Seja rigoroso e não abra exceções.

A Convenção deve ser elaborada de acordo com o Código, assim, dificilmente ela poderá ser contestada.

Disponibilize e deixe fixada no quadro de avisos a Convenção e o Regulamento Interno. É uma maneira de todos saberem as regras.

Administradora F&FAlteração de fachada
Leia mais

Crianças no condomínio

Morar em condomínio requer respeito ao próximo e às regras para que o dia-a-dia seja tranquilo e sem problemas. Entretanto, vira e mexe acontece alguma coisa que altera a ordem do ambiente. Seja uma discussão, parar em vaga errada ou barulho em excesso. Quando há crianças envolvidas as queixas tendem a ser um pouco maiores, mas nada que não possa ser solucionado.

É possível viver tranquilamente dentro de um condomínio desde que cada um cumpra a sua parte em não incomodar o outro e em saber quais são os limites, o que vale também para as crianças e os pais devem educá-las quanto a isso.

Se a criança está incomodando mesmo ao brincar dentro do apartamento, o morador incomodado deve pedir ao porteiro ou ao zelador que ligue para a unidade que está incomodando e solicite silêncio.

Isso não é falta de educação e o funcionário do condomínio não deve ficar constrangido. É preciso saber cumprir as regras estabelecidas em acordo com todos.

Claro que é preciso cautela. A reclamação será procedente se o barulho que a criança estiver fazendo for em horário ou local indevido. É preciso lembrar que é da natureza das crianças brincar, correr, falar, dar risada, etc.

Uma forma de lidar com a rebeldia das crianças é eleger um mini-síndico. A criança eleita terá contato com o trabalho do síndico e com os problemas diários do condomínio. Isso ajuda a criar consciência.

Esse tipo de eleição acaba se tornando algo divertido e é fácil de organizar. Basta convidar as crianças, separar papel, caneta e uma caixa para depositar os votos.

Limites

Os pais são responsáveis por seus filhos e devem estabelecer limites a eles, inclusive quando estiverem dentro do apartamento.

Uma dica que pode ser passada aos pais é o uso de tapete emborrachado nos quartos das crianças, ele diminui o atrito e abafa o barulho no andar de baixo. Carpetes e tapetes comuns também podem cumprir bem essa função.

Mesmo com tapetes, é preciso evitar que a criança brinque fazendo barulho após às 22h.

As regras existem para serem respeitadas também pelas crianças e os pais devem fazer isso valer. A responsabilidade pelo comportamento delas é deles.

Quando as crianças brincam nas áreas comuns dos condomínios, os limites devem ser diferentes. Elas podem brincar normalmente entre 9h e 20h.

Depois desse horário, se quiserem permanecer na área comum, deverão conversar em voz baixa ou ficar em silêncio.

Falta de área de lazer

Viver em condomínio já é complicado para crianças, quando falta área de lazer, isso se torna ainda mais difícil. Elas precisam brincar, isso faz parte da natureza. Desta forma, tente estabelecer locais e horários para que elas utilizem áreas como hall, jardim ou salão de festas.

As crianças podem usar, por exemplo, as áreas existentes no entorno do prédio. Sempre dentro dos horários estabelecidos, evitando incomodar os condôminos.

Alguns condomínios não possuem área de lazer, mas têm salão de festas, que também poderá ser utilizado pelas crianças durante a semana. Basta estabelecer regras para a freqüência.

Algum cômodo vazio ou espaço inutilizado nas dependências comuns do condomínio pode ser aproveitado para montar uma brinquedoteca, por exemplo.

Quem toma conta?

É recomendável que crianças estejam sempre acompanhadas

É muito comum em condomínios se observar crianças circulando sozinhas. Além disso, muitos pais pedem para que funcionários do condomínio tomem conta dos filhos.

Aqui vão algumas regras básicas para a boa convivência e segurança das crianças nos condomínios:

Crianças menores de 10 anos não devem andar sozinhas nos elevadores para evitar acidentes;

Os pais não devem permitir que as crianças brinquem nas escadas do edifício;

Crianças menores de 5 anos devem brincar no playground acompanhadas de um adulto;

Recomenda-se que as crianças maiores estejam sempre acompanhadas de um amigo no playground;

Todas as crianças devem estar acompanhadas de um adulto nas piscinas do edifício e os funcionários do condomínio não têm obrigação de cuidar de crianças.

É importante também lembrar os pais que o condomínio possui lugares que podem ser perigosos para as crianças, como instalações elétricas, piscinas, escadas e elevadores, por isso, é bom evitar deixá-las circulando sozinhas.
O ideal seria colocar as regras de convívio para crianças também no estatuto do condomínio para que não hajam problemas na hora de cobrar que as regras sejam cumpridas.

Administradora F&FCrianças no condomínio
Leia mais

O que fazer em caso de incêndio no condomínio?

Os casos de emergência em condomínios são mais comuns do que se pensa. Um dos mais complicados e que devem ter seu cuidado redobrado são os incêndios, que podem causar graves danos tanto ao condomínio quanto aos condôminos.

Já de início é interessante que pelo menos uma vez no ano o condomínio ofereça um treinamento para os moradores, para que, em caso real de incêndio, saibam agir corretamente. Além do treinamento, é essencial que os equipamentos anti-incêndio estejam em perfeito estado, como o extintor, porta corta-fogos, hidrantes e entre outros.

A famosa frase “Em caso de incêndio não utilize o elevador, use as escadas”, que fica localizada ao lado de botões de elevador, requer atenção e serve como alerta aos usuários que utilizam o equipamento para se locomover verticalmente de maneira ágil.
Em caso de incêndio em um edifício, é essencial tentar manter a calma.
Não tente combater o incêndio, a menos que saiba utilizar com eficiência os equipamentos de combate.
Durante a saída ou após sair do edifício, jamais volte para pegar objetos.

Veja algumas dicas que podem ser seguidas em caso de incêndio:

Chame o Corpo de Bombeiros o mais rápido possível.

Não obstrua as saídas de emergência.

Certifique-se de que o condomínio possui os extintores apropriados e sempre cheque seus respectivos vencimentos e manutenções necessárias.

Desligue a chave geral do condomínio, localizada normalmente no térreo. Antes desta ação, verifique a existência de passageiros no elevador. Não utilize o elevador. O incêndio poderá cortar a energia do edifício e você poderá ficar preso na cabina do elevador, colocando em risco sua segurança.

Lembramos que a prevenção é o melhor remédio. Manter os equipamentos anti-incêndio como extintores, hidrante e etc sempre em bom estado e dentro da data de validade pode evitar que uma tragédia ainda maior aconteça.

Administradora F&FO que fazer em caso de incêndio no condomínio?
Leia mais

MANUTENÇÃO PREDIAL

Um dos maiores e mais frequentes problemas em condomínios atualmente é justamente a falta de manutenção no prédio, que pode comprometer a eficácia das instalações elétricas do condomínio e até mesmo causar acidentes, como incêndios e choques elétricos além de desabamento do prédio, desabamento de uma varanda, entupimentos de esgoto do condomínio, alagamentos e goteiras em épocas de chuvas dentre outros problemas. O ideal é sempre fazer uma manutenção preventiva no prédio para que possíveis problemas sejam resolvidos antes mesmo de trazer algum transtorno ao condomínio.

Mais do que uma questão estética, os cuidados adequados durante o uso são fundamentais para garantir a segurança e a vida útil do imóvel. A relação custo/benefício também fica evidente, já que os gastos com reformas sobem consideravelmente quando não é feito nenhum tipo de manutenção preventiva.

Em situações mais extremas, a falta de manutenção adequada pode comprometer o bom funcionamento ou mesmo inviabilizar a utilização de uma obra, causando graves prejuízos e riscos aos usuários.  Segundo estudos do Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo (Ibape), mais de 60% das prováveis causas e origens dos acidentes em edificações com mais de dez anos estão relacionados à deficiência na manutenção.

Para evitar problemas maiores, basta que o síndico mantenha-se sempre informado das necessidades do condomínio e que realize a manutenção preventiva.

 

Administradora F&FMANUTENÇÃO PREDIAL
Leia mais

Como evitar problemas na área de uso comum do seu condomínio

Locais de uso comum para todos os moradores de um condomínio como salões de festa, piscina e garagem, além de oferecerem lazer e segurança, costumam também ser motivo de conflitos e desentendimentos. Os problemas mais recorrentes estão relacionados às vagas de veículos, barulho e má utilização dos equipamentos. Para evitar esses transtornos, é preciso estabelecer regras bem definidas e justas, que devem ter como objetivo a garantia de espaços igualitários.

Em geral, para dividir os horários de uso de salões de festas, academias e churrasqueiras, devem ser criadas regras que garantam o uso igual para todos. Por isso, cabe ao condomínio coordenar a cessão da área comum, e estabelecer um agendamento para uso desses locais.

O não cumprimento das regras pode prejudicar tanto o condomínio quanto os próprios moradores. Para garantir a ordem e a utilização democrática dos espaços, geralmente, essas regras são definidas no início da habitação dos prédios e mudadas conforme a necessidade.

Além do barulho, os problemas mais recorrentes nas áreas comuns estão relacionados a utilização inadequada que acarreta danos ao patrimônio, como quebra de móveis do salão de festas e dos equipamentos na academia. Para tentar resolver estas questões é necessário advertir e multar o condômino. O condomínio é um espaço coletivo e que deve haver respeito. Todos vão usar o espaço pelo menos uma vez e, depois deste, outro também vai usar.

A garagem é um dos locais onde mais acontecem situações de conflitos. Vagas, visitantes e aluguel são alguns dos temas que frequentemente provocam desgastes entre os moradores. As regras para utilização desse espaço são bem específicas, e estão definidas no Código Civil, na Lei de Condomínios e através da convenção condominial. Por isso a importância da administração estar sempre atenta para o cumprimento da convenção sem que haja maiores problemas entre os moradores.

Administradora F&FComo evitar problemas na área de uso comum do seu condomínio
Leia mais

BOLETOS SEM REGISTRO

O boleto sem registro como o conhecemos deve deixar de existir ao final de 2016. A notícia, divulgada no primeiro semestre de 2015, pegou muita gente de surpresa e vem tirando o sono de quem utiliza a modalidade para fazer cobranças e deixando muitas dúvidas para quem deseja começar a utilizar a cobrança por boleto.

O Projeto Nova Plataforma de Cobrança, da Febraban (Federação Brasileira dos Bancos), tem o objetivo de trazer mais transparência ao mercado de pagamento.

Mas qual a diferença entre boleto com registro e sem registro?
Como o próprio nome diz, a diferença entre os dois tipos de cobrança é que um deles deve ser registrado no sistema do banco e o outro não. Com isso, o banco tem todas as informações sobre a cobrança e, para que você consiga fazer o cancelamento ou qualquer alteração no boleto, como data de vencimento, é preciso enviar um arquivo de remessa ao banco com todas as informações da transação, o que não acontece com o boleto sem registro. Assim, fica mais fácil evitar fraudes com boleto.

Outra diferença é com relação às tarifas cobradas. Na cobrança sem registro, o banco geralmente cobra tarifa apenas quando o boleto é efetivamente pago por meio da rede bancária. Já para a cobrança com registro, o banco pode cobrar tarifas sobre as operações de registro, alteração ou cancelamento do boleto. Ou seja, você pode pagar mais de uma tarifa para o mesmo boleto.

A vantagem do boleto com registro bancário é que, em caso de não pagamento, ele pode ser protestado em cartório. Apesar de não ser considerado um título de crédito, é possível protestar o título de crédito indicado no boleto, geralmente uma duplicata mercantil ou de serviço.

O fim do boleto sem registro foi anunciado pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) no início do ano como parte do Projeto Nova Plataforma de Cobrança, que tem o objetivo de trazer mais transparência para o mercado de pagamento. A aplicação da nova regra será realizada em etapas, de acordo com o cronograma divulgado pela instituição:

  • Junho de 2015 – Fim da oferta da cobrança sem registros para novos clientes
  • Agosto de 2015 – Início da operação da base centralizadora de benefícios
  • Dezembro de 2016 – Término da migração das carteiras de cobrança sem registro para a modalidade registrada
  • Janeiro de 2017 – Início da operação da base centralizadora de títulos

Para que o boleto seja registrado, será obrigatório constar no documento de cobrança e no registro bancário pela internet o CPF ou CNPJ do pagador (sacado).

Os boletos sem registro emitidos após 2017 só poderão ser pagos no banco emissor, mesmo antes da data de vencimento.

 

Administradora F&FBOLETOS SEM REGISTRO
Leia mais

DICAS PARA MONTAR UMA ROTINA DE LIMPEZA EM SEU CONDOMÍNIO

Por mais fácil e simples que possa parecer, a rotina de limpeza de um condomínio é um dos maiores desafios para síndicos e condôminos.
É natural que as áreas de uso comum acumulem sujeira com muita frequência por isso, manter a limpeza do local é imprescindível para garantir o bem-estar e o conforto dos habitantes e visitantes.

Para manter uma rotina de limpeza, alguns cuidados se fazem necessários, como por exemplo materiais de limpeza. É preciso deixar à disposição da equipe responsável os materiais e equipamentos adequados para que tudo seja realizado da melhor maneira possível. E como cada área do condomínio exige técnicas e cuidados de higiene específicos, também demandam os materiais corretos para sua execução. Detergente neutro, cera, desinfetantes, esponjas, panos de chão, flanelas, baldes, rodos e vassouras são alguns dos itens fundamentais quando o assunto é manter a limpeza de um condomínio em dia.

É interessante criar uma lista com a qual se possa controlar o uso dos materiais. Assim, é possível deixar o estoque sempre em ordem, a fim de não prejudicar ou atrasar o bom andamento dos processos.

Além dos produtos, os equipamentos também podem ajudar bastante, permitindo que o trabalho seja feito com maior rapidez e menos gastos. Um exemplo são as lavadoras de piso para condomínios que, com grande abrangência, pode auxiliar bastante no processo e aumentar a eficiência de limpeza no local.

Evite deixar a sujeira acumular nas áreas que são usadas frequentemente. Para que a sujeira não acumule demais, o ideal é fazer uma faxina profunda e periódica em cada ambiente e depois ir mantendo-os limpos, fazendo uma limpeza leve diariamente.
Banheiros, vidros, portas, escadarias, elevadores, salão de festas e a academia: todos esses itens e ambientes devem ser constantemente supervisionados e mantidos em condições de uso, para não dificultar a faxina completa no dia em que tiver que ser feita. A equipe deve se manter atenta a detalhes que, muitas vezes, passam despercebidos, como a limpeza de áreas que ficam fora do alcance dos olhos (como lustres ou cantinhos escondidos atrás de móveis), que podem juntar teias de aranha e poeira, o que causa uma péssima impressão em quem percebe tal falta de cuidado.

Para manter o controle do que deve e o que não deve ser limpo e em quais dias, o ideal é fazer um cronograma de limpeza. Neste cronograma devem constar todas as áreas do condomínio que precisam ser limpas e a frequência de limpeza. Locais com maior circulação de pessoas precisam de limpeza constante, com manutenções ao longo do dia.

É muito importante que as escalas e horários de trabalho acompanhem as demandas de limpeza do condomínio. Se a Academia fecha às 20:00, deve existir um funcionário que possa executar a limpeza após esse horário ou logo cedo para garantir que os usuários possam encontrar o ambiente limpo pela manhã.

Cada condomínio tem suas peculiaridades por isso, não existe uma regra exclusiva válida para todos os casos. O mais importante é avaliar as necessidades específicas do seu condomínio a fim de desenvolver um cronograma personalizado, que garanta que todas as áreas estejam limpas durante o dia todo. Defina quais locais necessitam de uma limpeza profunda e qual deve ser a periodicidade das rondas de manutenção e conservação. Isso manterá o condomínio limpo e sempre em ordem. Vale ainda lembrar que é provável que, durante o dia, surja a necessidade de realizar pequenas limpezas emergenciais, no caso de ocorrerem acidentes. Por isso, é preciso que os responsáveis pela limpeza estejam de sobreaviso, a fim de proporcionarem a devida higienização no momento em que a necessidade aparecer.

Por último, mas não menos importante, é imprescindível que a limpeza não atrapalhe os condôminos pois não há nada mais desagradável que, tropeçar em mangueiras, rodos e vassouras ou caminhar sobre poças de água e sabão enquanto passa pelo local. Por isso, na hora da elaboração do cronograma, é extremamente importante levar em consideração os horários de maior circulação de pessoas, fazendo o máximo possível para diminuir o desconforto causado aos usuários. O ideal é que a limpeza dos ambientes ocorra nos momentos em que houver o menor número de pessoas nesses locais. Assim se evita não só a insatisfação como eventuais acidentes, além de permitir que os locais estejam prontos para uso a qualquer momento.

Montar uma rotina de limpeza demanda certos cuidados, mas não é algo tão complexo assim. Tendo os profissionais corretos e a colaboração entre síndico e administradora, fica tudo mais fácil!

 

Administradora F&FDICAS PARA MONTAR UMA ROTINA DE LIMPEZA EM SEU CONDOMÍNIO
Leia mais